SOBRE O LICOSC

O Laboratório de Informação e Comunicação em Saúde Coletiva (LICoSC) é uma inicativa do Grupo de Estudos e Pesquisas em Informação e Comunicação em Saúde Coletiva, da Unidade de Tecnologia da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS), do Núcleo de Estudos em Saúde Pública (NESP), do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares (CEAM), da Universidade de Brasília (UnB).

LICoSC é o apelido carinhoso pelo qual nosso Laboratório é chamado pelos bolsistas, professores e pesquisadores associados a esta inicativa de ensino, pesquisa e extensão. Criado em 2009, o LICoSC tem o objetivo de pesquisar os processos de informação e comunicação na Atenção Básica e o uso de Tecnologias da Informação e Comunicação no âmbito da ciência, das comunidades e dos serviços.

Suas atividades contam com o apoio do Departamento de Saúde Coletiva (DSC), da Faculdade de Ciências da Saúde (FS), e do Centro de Tecnologias Educacionais Interativas em Saúde (CENTEIAS). Sua criação teve como objetivo estreitar a participação dos estudantes de graduação e pós graduação da FS com os pesquisadores e bolsistas da UTICS/NESP e do CENTEIAS/FS, nas atividades de ensino, pesquisa e extensão.

Sob a coordenação da Profa. Dra. Ana Valéria M. Mendonça, o LICoSC dispõe de equipamentos audiovisuais disponibilizados para as pesquisas desenvolvidas com a mediação das Tecnologias da Informação e Comunicação, abrangendo produção de conteúdos multimedia para o campo da saúde coletiva com uso de tablets, pockets pc e celulares, além da plataforma web. A multilinguagem é o nosso grande desafio, a fim de permitir o mais alto índice de acessibilidade aos projetos desenvolvidos por iniciativa interna e/ou com os diversos parceiros institucionais estabelecidos.

Na graduação, o LICoSC apoia diretamente a disciplina de Comunicação em Saúde (ComSaúde) e na pós graduação, a disciplina de Informação e Comunicação em Saúde (InfoComSaúde). Dessa forma, o LICoSC fortalece a iniciativa de mediação tecnológica nas ações de saúde coletiva bem como promove a reflexão teórico metodológica quanto às práticas de ensino aprendizagem, também aplicadas ao ensino a distância (EAD).

Seus projetos de extensão e pesquisa contam com o apoio do Ministério da Saúde, Fundação de Amparo à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF) e recursos internos da Universidade de Brasília. Entre eles estão o ComSaúde da Mulher, Diálogos ComSaúde, Inclusão Digital dos Agentes Comunitários de Saúde, Jornadas do Conhecimento, Laboratório de Gestão da Informação e Comunicação em Saúde (LOGICOS), Produção de Conteúdos Multimídia, Rádio Web Saúde, Recuperação do Acervo e Saúde na Mídia.

Linhas de Pesquisa

Políticas, Planejamento, Gestão e Atenção à Saúde da Família

Caracterização: A linha Políticas, Planejamento e Gestão em Saúde (PPG/S) integra o conjunto de conhecimentos envolvidos na formulação, implementação e avaliação das políticas públicas de saúde, com foco na gestão de sistemas e serviços de saúde e da reorganização dos modelos e práticas de atenção à saúde, no âmbito da atenção básica com foco na Estratégia Saúde da Família.

Saúde, Sociedade e Cidadania

Caracterização: A linha de pesquisa Saúde, Sociedade e Cidadania apresenta e discute os processos sócio-históricos modernos e contemporâneos que conformaram o pensamento das ciências sociais aplicados à saúde. Traz discussões sobre a relação entre o biológico/social e estrutura/indivíduo, bem como o seu impacto nas realidades classe, sexo/gênero e raça/etnia. Aborda a importância dos movimentos sociais para a democratização da saúde e para a instauração da diversidade como princípios norteadores da qualificação da demanda e da oferta de serviços e ações de saúde, enquanto direito de cidadania. Esta linha inclui também as ações de informação, educação e comunicação em saúde com vistas à promoção da saúde, mediadas por tecnologias inclusivas.

Epidemiologia, Saúde, Ambiente e Trabalho

Caracterização: A Epidemiologia é uma disciplina que, partindo de uma abordagem quantitativa de aferição dos fenômenos relativos ao processo saúde-doença, e em comunicação estreita com outros saberes, proporciona ferramentas analíticas para: (a) realizar diagnósticos de saúde das comunidades apontando para a freqüência e distribuição dos eventos; (b) verificar relações causais ou fatores associados às doenças, agravos e aos fatores determinantes e condicionantes; (c) avaliar o resultado de intervenções em termos de eficácia, efetividade ou impacto; (d) qualificar as ferramentas de diagnóstico e de triagem ou rastreamento de doenças / infecções na comunidade. Dessa maneira, a Epidemiologia contribui com um arsenal metodológico para a realização de pesquisas em saúde no âmbito da comunidade, de populações amplas e dentro dos serviços de saúde e em âmbitos de trabalho ajudando a definir prioridades de intervenção ou a avaliar intervenções. Também constitui um apóio à realização da vigilância em saúde apontando para a sensibilidade dos sistemas, métodos de monitoramento e avaliação. A linha inclui também a interface da saúde com o ambiente apontando para determinados âmbitos da vida humana como o mundo do trabalho. ❉